Opinião

Linfoma não-Hodgking: o switch de IV para subcutâneo no rituximab e trastuzumab
Enf.ª Cristina Correia de Lacerda, IPO de Lisboa
05 Jun. 2017

A incidência do linfoma não-Hodgking (LNH) tem aumentado globalmente e com o aumento da idade média de vida prevê-se que continue a aumentar. No tratamento deste tipo de patologia utiliza-se rituximab, um anticorpo monoclonal, que tem como alvo as células CD20 onde se liga e erradica as células de linfoma através de três mecanismos: citoxicidade dependente do complemento (CDC), citoxicidade celular dependente do anticorpo (ADCC) e por morte celular direta. O rituximab liga-se especificamente ao antigénio transmembranar, CD20, uma fosfoproteína não-glicosilada, localizada nos linfócitos B maduros e nos linfócitos pré-B.

Avaliação da qualidade de vida do doente com mielofibrose
Prof.ª Doutora Ana Macedo, hematologista do Centro Hospitalar do Algarve
06 Abr. 2017

A mielofibrose é uma neoplasia mieloproliferativa rara cujo diagnóstico, muitas vezes difícil, se baseia em critérios clínicos, morfológicos, citogenéticos e moleculares. Não havendo, no entanto, nenhuma característica patognomónica, o diagnóstico de exclusão acaba por ser o método disponível.

Newsletter

Hematologia e Oncologia, 18, junho de 2017

PUB